Profa. Dra. Daniela Scheinkman Chatelard

 

O interesse de Pesquisa da Profa. Dra. Daniela Scheinkman Chatelard se encontra vinculado ao campo da psicanálise: clínica, cultura e formas de subjetivação. O referencial teórico é a psicanálise freudiana com orientação da leitura de Jacques Lacan.  Questões que envolvem corpo, sofrimento e dor, se apresentam desde quando Freud passou a investigar a demonstração do sintoma histérico no corpo em relação à sexualidade, distinguindo-o da leitura proposta pela neurologia, na qual o sintoma tinha significado preconcebido em referência à estrutura e ao funcionamento orgânico.

Alguns eixos se entrelaçam neste projeto de pesquisa: 1) as considerações freudianas sobre as noções de fantasia, de reminiscências infantis, de traços mnêmicos e de lembranças encobridoras. 2) a noção lacaniana do sujeito como efeito lógico da determinação da cadeia significante, ao mesmo tempo em que este sujeito é também responsável pela sua posição subjetiva. 3) reflexões sobre o estatuto do Outro na contemporaneidade.

Autora dos livros Da Pulsão Escópica ao Olhar. 1995. Ed Imago, RJ e O Conceito de Objeto na Psicanálise: do Fenômeno a Escrita. 2005. Editora da Universidade de Brasília. Organizadora do livro O Corpo no Discurso Psicanalítico. Ed Appris,Curitiba, 2019.

 

Formação acadêmica:

·      Graduação em Psicologia, Universidade Santa Úrsula – RJ, 1991

·      Mestrado em Psicanálise, Université de Paris VIII, 1994

·      Doutorado em Filosofia, Université de Paris VIII, 1999

·  Estágio Pós-Doutoral, no Programa de Pós-Graduação em Psicologia Escolar e do Desenvolvimento Humano, vinculado ao Laboratório de Psicanálise e Análise do Discurso da Universidade de São Paulo-USP e no Departamento da School of Psychological Sciences at Tel-Aviv Univesity - Israel, 2020

 

Currículo Lattes: http://lattes.cnpq.br/3630980140600543

ORCID: https://orcid.org/0000-0002-7925-573X

 

Afiliações institucionais:

·      Membro da Escola de Psicanálise dos Fóruns do Campo Lacaniano. (www.champlacanien.net)

·      Membro Fundadora da Associação Nacional dos Estudos sobre o Bebê. (www.abebe.org.br)

 

·      Membro desde de sua fundação do GT em Psicanálise, Política e Clínica.

 

Grupo de pesquisa:

·      Coordena o grupo de Pesquisa cadastrado no Diretório do Cnpq - Jacques Lacan: Teoria, Clínica, Discursos Conexos desde 2016. (dgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/2491965216534775)

 

Projeto de extensão:

·      O Corpo na Psicanálise: Mal- Estar, Sofrimento e Sintoma no Laço Social. Início: 29/08/2018.

o   Essa proposta de ação contínua, pretende dar continuidade ao projeto de pesquisa, vinculada à linha: Psicanálise, Subjetivação e Crítica da Modernidade, que acontece no CAEP (Centro de Atendimento de Estudos Psicológicos) e no HUB (Hospital Universitário de Brasília), incluindo atendimento psicoterápico de orientação psicanalítica nas dependências do CAEP, acolhendo gestantes, mães com seus bebês. A pesquisa visa oferecer uma contribuição  teórica e prática na área da psicanálise, com uma experiência institucional. Familiarizar o aluno com o planejamento de um trabalho de pesquisa, promover reflexões no âmbito da práxis e da teoria psicanalíticas em dois eixos clínicos (atendendo gestantes, puérperas e pessoas cujo sofrimento e dor se manifestam no corpo) que envolvem o discurso e o corpo na orientação lacaniana.

 

Pesquisas em andamento:

1.     O sujeito com deficiência: entraves na relação mãe-bebê.
O estudo investiga os possíveis entraves do sofrimento materno durante a gestação e nos primeiros meses de vida do bebê relacionado ao diagnóstico de problemas orgânicos. Dessa forma, pretende-se compreender os impactos possíveis das representações maternas no desenvolvimento e na constituição subjetiva da criança e no laço que se constrói entre mães e seus filhos, considerando a constituição psíquica do bebê quando há problemas orgânicos no desenvolvimento fetal ou perinatal. Pesquisa de Mestrado.

 

2.     A musicalidade da fala e a clínica psicanalítica.

A musicalidade do sujeito se refere à sua pulsionalidade e ao seu posicionamento diante do objeto voz. Esta é uma pesquisa teórico-clínica que busca abordar essas questões sonoras da fala no âmbito analítico, em uma escuta analítica do real. Pesquisa de Doutorado.

 

3.     Nem pensante ou extensa: gozante? O corpo e o fenômeno psicossomático na psicanálise.
A pesquisa assume como proposta o estudo do corpo em psicanálise, tanto na obra de Sigmund Freud como no ensino de Jacques Lacan. Em Freud, é verificado conceitos como: pulsão, pulsão de morte, automatismo de repetição e neurose atual. Em Lacan, gozo, gozo Outro e substância gozante - termo criado por Lacan e que faz referência à ideia de substância em Aristóteles. Para além desses conceitos, a originalidade do estudo consiste em interrogar o termo psicossomática que, ao que tudo indica, mantem-se pautado no cartesianismo res pensante-res extensa, divisão subvertida pelo conceito de gozo. Ainda como aprofundamento, será utilizado o estudo da topologia matemática como esteio para a pesquisa. Pesquisa de Doutorado.

 

4.     O Irrepresentável na cena analítica - da metapsicologia ao lugar do analista na contemporaneidade.

A pesquisa tem como objetivo geral investigar o manejo clínico frente ao Irrepresentável na Clínica Psicanalítica Contemporânea. Busca em seus objetivos específicos, retomar a noção de representação e de inconsciente em Freud; abordar a técnica psicanalítica clássica das neuroses de transferência; estabelecer um percurso pela metapsicologia da não-representação, ou do irrepresentável; e, pensar o lugar do analista frente a essa condição na contemporaneidade. Metodologicamente, trata-se de um trabalho que busca articular a metapsicologia à clínica psicanalítica, apresentando fragmentos clínicos que auxiliem a pensar a prática clínica na atualidade. Pesquisa de Doutorado.

 

5.     Ato analítico: corpo e tato do analista.

A presente pesquisa pretende pensar o ato analítico na experiência de análise articulando-o aos efeitos de ressonância da voz no corpo. Para isso problematizamos os instantes de interpretação em que o analista é atravessado pelo ato analítico e questionamos qual o lugar do corpo nessa experiência ao perguntarmos se o ato analítico seria invocado pela sensibilidade do corpo à voz em trânsito numa análise. Assim, propomos localizar topologicamente corpo, voz e ato analítico recusando uma lógica binária que situa analista de um lado e analisante do outro. Falaremos, portanto, de um corpo tocado pelos efeitos do real veiculados pela voz, invocando ali, em ato, a irrupção do jamais visto e ouvido, efeito de queda e criação na cadeia significante. Por fim, propomos demonstrar a experiência de análise através do enodamento entre política, estética e ética face a articulação entre o ato analítico, o corpo e o desejo. A Profa. Dra. Daniela S Chatelard é orientadora da doutoranda que realiza essa pesquisa, atualmente na modalidade sanduiche na Université Côte d Azur em Nice com o Prof. Dr. Jean-Michel Vivès.

 

6.     O adolescente e o uso de drogas no contemporâneo.

A presente pesquisa pretende-se trabalhar com o sujeito adolescente e qual o efeito subjetivo do uso de substâncias psicoativas na vida desses sujeitos. Algumas questões que norteiam a pesquisa são: Seria possível pensar a toxicomania como um sintoma social no modo como os laços sociais têm sido construídos entre os adolescentes e seus pares?; O uso de drogas tem algo a dizer sobre o laço social? É uma resposta? Um jeito de estar no mundo?; Existe uma relação disso com o modelo capitalista?;O adolescente é visto como mercadoria?; O adolescente está sendo transformado em bens para serem negociados no mercado? Pesquisa de Mestrado.

 

7.      Dança-Teatro de Pina Bausch.

A partir do atendimento clínico com crianças – o qual compreende o trabalho com o corpo, o gesto e até mesmo a similaridade com a performance e o teatro, durante o faz-de-conta da brincadeira – uma inquietação se colocou quanto ao enodamento entre palavra e corpo na clínica. Assim, achou-se pertinente buscar nas artes performáticas, em que o corpo está no centro da criação e da produção de linguagem poética um caminho possível para pensar o corpo na clínica. A pesquisa caminha pelo conceito de Pulsão, como articulador entre corpo e linguagem, e sua relação com a repetição como potência criativa do novo.  A dança-teatro de Pina Bausch pensa esteticamente o corpo marcado pelo simbólico e utiliza como linguagem a repetição dos movimentos, marca do estilo de Bausch. Pesquisa de Mestardo.

 

8.      O problema mente-corpo e a psicossomática na metapsicologia freudiano.

O problema mente-corpo foi proposto inicialmente por Descartes ainda no século XVI e perdura até o nosso tempo sem solução final, chegando ao ponto de alguns filósofos considerarem a questão irresolúvel ou mesmo um falso problema. O objetivo desse trabalho é localizar o lugar que Freud ocupa nas tradições que derivaram dessa questão inicial e entender como a sua metapsicologia a resolve no entendimento de fenômenos clínicos que recuperam o interesse na relação mente-corpo como o psicossomatismo. Pesquisa de PIBIC.

 

9.      A dimensão social do sintoma: o que revela acerca do contexto no qual emerge?

A pesquisa aborda a elaboração de Lacan acerca dos discursos e o questionamento posterior de psicanalistas que indagam: existe sintoma social? O que leva a formular perguntas relevantes para se pensar a relação sujeito-social: o que os sintomas podem revelar acerca da maneira como as práticas e normas da sociedade afetam os sujeitos? Existem estruturas pré-estabelecidas para a emergência de sintomas, algo que governe o que pode emergir como sintoma? Uma análise da proposta de Kehl (2009), em O Tempo e o Cão, que apresenta a depressão como um sintoma social da contemporaneidade busca trazer à luz articulações entre o sistema econômico, político e social e a emergência cada vez maior de pessoas que se dizem “deprimidas”, a fim de traçar algumas possíveis respostas às perguntas feitas acima. Pesquisa PIBIC.